Das Profundezas: Rugas são como sulcos na terra

Empédocles lançou-se ao Etna, talvez precipitadamente, em procura da verdade nas entranhas da terra. É uma verdade diferente que Il buco – tão inteligentemente traduzido para português como Das Profundezas – nos pretende apresentar. É sobre uma natureza que é divina, mas não imortal. 

O mais recente filme de Michaelangelo Frammartino – vencedor do prémio especial do júri no Festival de Veneza – está inserido na secção Panorama, da Festa do Cinema Italiano. Este desenvolve-se em volta de dois acontecimentos paralelos: O primeiro é uma reencenação da expedição do Grupo Espeleológico de Piemonte, que em 1961 explorou e mapeou o até então desconhecido Abismo de Bifurto, no sul de Itália; e o segundo acompanha o leito de morte de um pastor idoso. Este pastor vigia há muitos anos as terras circundantes da gruta, ocupadas agora pelos espeleólogos. Cria-se aqui uma relação elíptica entre as duas partes. Esta inicia-se às portas do abismo e reencontra-se no final deste filme sem diálogos, onde o som e a imagem os substituem. A humanidade e a natureza revelam-se por si próprias.  

Il Buco, Antonio Lanza ©Cairo International Film Festival

Todo o filme se constrói através de uma relação de dependência entre as duas partes que o compõem. A sua duração está subordinada à morte do pastor. Numa espécie de voyeurismo, acompanhamos o sofrimento deste ser. Está vivo, mas inacessível, em simbiose com a paisagem, e sobretudo com o seu interior. O fim aproxima-se à velocidade a que progride a expedição. O mapa da gruta –desenhado aos poucos – é como um guião do qual já se sabe o final, resta saber o caminho para lá chegar. 

Numa cena, ainda no início do filme, encontramos um espeleólogo que descansa calmamente numa igreja abandonada. Junto ao seu corpo, deitado, vemos uma imagem de Cristo na Cruz. Existe entre eles uma inegável semelhança. Jesus e um qualquer homem, deitados no chão lado a lado. Este filme é sobre uma divindade que é terrena, da qual tanto a gruta como o pastor fazem parte, e é também isso que os une. “Existe, de facto, um Deus, que é o próprio mundo”.1

Empédocles lançou-se ao Etna na crença que iria elevar-se a um ser imortal. A expedição faz-se pelo egoísmo e determinação dos homens. “A natureza divina sem a imortalidade é o que define a liberdade do homem criador”2. O pastor moribundo está lá para lembrar isso, tal como as sandálias de Bronze cuspidas pelo Etna.

[Foto em destaque: Il Buco, Abismo do Bifurto ©Festa do Cinema Italiano]

Notas de rodapé

Camus, Albert. O Homem Revoltado. Livros do Brasil, 2019.

2 Ibidem

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.