Mato seco em Chamas vence Competição nacional e Internacional do IndieLisboa 2022

Nunca se viu nada assim. Pelo menos no Indie. Um filme que vence a Competição Internacional e também a Competição Nacional. Pois Mato Seco em Chamasdo brasileiro Adirley Queirós e da companheira portuguesa Joana Pimenta, cometeu a proeza de convencer os diferentes elementos do júri e arrebatar ambos os prémios. Venceu o principal prémio internacional, ou seja, o Grande Prémio de Longa Metragem Cidade de Lisboa, bem como o Prémio Allianz para Melhor Longa Metragem Portuguesa. O filme recebeu ainda um terceiro prémio, o do júri universitário.

O casal Adirley e Joana está de parabéns pela ousadia de trazerem à tela um cinema descomprometido com os centros de poder, justamente apostado numa dinâmica de pura e desafiante liberdade criativa. Em causa, a deriva empoderada de várias mulheres (só uma Gleide Firmino é profissional) que compõem um retrato de uma zona do Brasil, a Ceilêndia, nos arredores de Brasília (de onde é natural o próprio Adirley), com a mira apontada às políticas públicas de terra (e cultura) queimada do presidente Jair Bolsonaro.

Pierre Léon e Rita Durão em O trio em mi bemol, de Rita Azevedo Gomes – © Basilisco Filme]

Já antes se salientara a enorme pujança do cinema português na 19ª edição do IndieLisboa, mas longe de imaginar este resultado tão avassalador. Até porque há ainda que acrescentar alguns títulos. Desde logo, o prémio de melhor realização atribuído a Rita Azevedo Gomes, pelo seu trabalho em O Trio em Mi Bemol. E ainda a distinção de Ana Sofia Fonseca pelo musical Cesária Évora.

Já nas curtas metragens, a distinção para Domy + Ailucha, Cenas Kets!, um filme colaborativo de Ico Costa, além de Um Caroço de Abacate, de Ary Zara, ficou com o Prémio Novo Talento. No plano internacional, o prémio foi atribuído ex-aequo entre Mistida, de Falcão Nhaga, a curta que irá ser exibida em Cannes, e The Parent´s Room, de Diego Marcon, venceu o Prémio de Melhor Animação. 

Medusa, de Anita Rocha da Silveira © Best Friends Forever

Foi ainda em língua portuguesa premiado o filme da brasileira Anita Rocha da Silveira, com Medusa.

Na secção Silvestre, o Melhor Filme foi para Cette Maison, de Miryam Charles, ex aequo com Nous, Étudiants!, de Rafiki Fariala. Por fim, no formato de curta metragem, foi distinguido o Constant, de Sasha Litvintseva e Beny Wagner. 

O festival terminou igualmente em português com a exibição de A Viagem de Pedro, da brasileira Laís Bodanzky. A próxima edição do IndieLisboa realiza-se de 27 de abril a 7 de maio de 2023.

Os filmes premiados vão ser exibidos entre segunda e quarta-feira, no Cinema Ideal.

Paulo Portugal

Palmarés 19º IndieLisboa 

Competição Internacional
Grande Prémio de Longa-Metragem – Mato Seco em Chamas de Joana Pimenta e Adirley Queirós (Brasil/Portugal)
Prémio Especial do Júri – Medusa de Anita Rocha da Silveira (Brasil)
Grande Prémio de Curta-Metragem – Mistida de Falcão Nhaga (Portugal) e The Parent’s Room de Diego Marcon (Itália)
Melhor Curta de Animação – The Parent’s Room
Melhor Curta Documental – Urban Solutions de Arne Hector, Luciana Mazeto, Minze Tummescheit e Vinicius Lopes (Alemanha/Brasil)
Melhor Curta de Ficção – Escasso de Gabriela Gaia Meirelles e Clara Anastácia (Brasil)


Competição Nacional
Melhor Longa-Metragem – Mato Seco em Chamas
Melhor Realização para Longa-Metragem Portuguesa – O Trio em Mi Bemol de Rita Azevedo Gomes
Melhor Curta-Metragem – Domy+Ailucha: Cenas Kets! De Ico Costa
Prémio Novo Talento – Um Caroço de Abacate de Ary Zara
Prémio Novíssimos – Tindergraf de Júlia Barata


Prémios do Público
Longa-Metragem – Cesária Évora de Ana Sofia Fonseca (Portugal)
Curta-Metragem – Um Caroço de Abacate
Indie Junior – Luce e o Rochedo de Britt Raes (Bélgica/França/Holanda)
Prémio Silvestre de Melhor Longa-Metragem – Cette maison de Miryam Charles (Canadá) e Nous, étudiants! de Rafiki Fariala (República Centro-Africana/França)
Prémio Silvestre de Melhor Curta-Metragem – Constant de Sasha Litvintseva e Beny Wagner (Alemanha/Reino Unido)
Prémio IndieMusic – Love, Deutschmarks and Death de Cem Kaya (Alemanha)
Prémio Amnistia Internacional – Urban Solutions
Prémio Árvore da Vida – Viagem ao Sol de Ansgar Schäfer e Susana de Sousa Dias (Portugal)
Prémio Escolas – By Flávio, de Pedro Cabeleira (Portugal/França)
Prémio Universidades – Mato Seco em Chamas

[Foto em destaque: Andreia Vieira em Mato Seco em Chamas, de Adirley Queirós e Joana Pimenta © Cinco da Norte, Terratreme Filmes]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.